Humanize

Role a página para
saber mais

União em prol da valorização do Cerrado e da conservação da biodiversidade do bioma

Portfólio do humanize trabalha para consolidar vínculos que estimulam o desenvolvimento econômico sustentável do Cerrado e a proteção de espécies e habitats naturais representativos do bioma

O apoio a iniciativas pela conservação do Cerrado vem de antes de 2017, ou seja, é anterior à criação do humanize. Por meio de Investimento Social Privado (ISP), o apoio ao “Projeto Sertões” contribuiu para fortalecer Unidades de Conservação e desenvolver cadeias produtivas da sociobiodiversidade no Mosaico de Áreas Protegidas Sertão Veredas Peruaçu.

Já considerando a atuação do instituto no ciclo 2019-2021, consolidamos o Cerrado como um dos biomas prioritários para nosso trabalho, por meio do fomento à estruturação das cadeias produtivas, ligando oferta e demanda. Também buscamos promover conhecimento sobre o bioma, incluindo incentivo constante à pesquisa – o que pode aproximar a própria população local das potencialidades do bioma, além de conscientizar pessoas de todo o Brasil.

As ações vão além disso e consideram presente e futuro do Cerrado. Muitos planos surgem a partir de desafios que se revelam nos mais de 2 milhões de km² pelos quais o bioma se estende. Ele está nos estados de Goiás, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, dentre outros – sendo os três primeiros prioritários para a atuação do humanize.

Mesmo considerada a região de savana mais rica em vida no planeta, o bioma já perdeu grande parte de sua riqueza natural. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), hoje menos de 48% da vegetação original encontra-se total ou parcialmente conservada – a partir da segunda metade do século XX, o desmatamento se intensificou a partir do crescimento da agropecuária, o que reforça a importância de iniciativas como alianças, projetos e pesquisas que tenham a conservação do Cerrado no centro de sua atuação.

Levando em conta riquezas e obstáculos, o humanize acredita que pode fazer parte de um ciclo virtuoso de experiências a fim de colaborar com o bioma e com as pessoas que lá vivem.

Portfólio

É por meio de conexões em rede que nos aproximamos de parceiros e movimentamos projetos e Alianças a fim de promover o desenvolvimento econômico sustentável do bioma. No ciclo 2019-2021, o humanize marcou seu portfólio com cerca de 10 projetos focados no Cerrado. Com esforços cada vez mais voltados para o bioma, o programa Uso Sustentável lidera o número de projetos que têm a região como protagonista.

Citado anteriormente, um dos casos que ganha vida no Cerrado e que se destaca no portfólio do humanize é o Projeto Sertões. Implementado por WWF-Brasil, o projeto busca colaborar com a resolução do problema de baixa estruturação e articulação da cadeia de produtos da sociobiodiversidade, bem como com a tímida articulação de produtores de sementes. Também há um esforço para fazer com que o Cerrado seja mais valorizado, incluindo ações que visam aumentar a participação do bioma em questões envolvendo políticas e governança.

O projeto ainda visa a inclusão socioeconômica e produtiva de agricultores familiares e agroextrativistas do Cerrado por meio do fortalecimento das cadeias produtivas da sociobiodiversidade do “Mosaico Sertão Veredas Peruaçu”, região situada entre o Norte de Minas Gerais e o Sudoeste da Bahia. A iniciativa envolve produção, beneficiamento, armazenamento e comercialização dos frutos, produtos e sementes, e busca melhorar a gestão de áreas protegidas, incluindo boas práticas agrícolas e planejamento responsável da ocupação territorial.

Também em prol do bioma, o humanize, ao lado de outros cofinanciadores e entidades de referência no tema, faz parte da Aliança Nosso Cerrado. A união visa, por exemplo, fortalecer as capacidades de Organizações da Sociedade Civil (OSCs) locais – com a ideia de manter, gerenciar e restaurar a biodiversidade do bioma. Também há o objetivo de contribuir com a conservação da biodiversidade do Cerrado. Para isso, o caminho passa por consolidar vínculos entre a conservação e o desenvolvimento, apoiando cadeias produtivas da sociobiodiversidade, trabalhando com o uso sustentável de produtos florestais não madeireiros e beneficiando as comunidades locais.

Para nós, é importante incentivar abordagens participativas e ações concretas para a proteção de todos os habitats naturais representativos do Cerrado e das espécies a eles associadas, além de desenvolver abordagens capazes de gerar impactos socioambientais por meio do empreendedorismo e inovação.

É por isso que essa união tem o propósito de contribuir para a melhoria da gestão pública dos serviços e/ou bens comuns, bem como promover o desenvolvimento econômico sustentável do Cerrado. Para isso, a Aliança envolve atividades relacionais a:

1. Mapeamento e pesquisa;
2. Treinamento e assistência técnica;
3. Comunicação e advocacy relacionado a políticas públicas;
4. Apoio integrado ao desenvolvimento territorial. ​

A Aliança Nosso Cerrado é mais uma iniciativa de trabalho colaborativo e, além do humanize, é formada por Fundação Grupo Boticário, Instituto Nova Era, Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Veja nossos casos