Humanize

Role a página para
saber mais

Com o objetivo de contribuir para o fortalecimento do ecossistema das Organizações da Sociedade Civil (OSCs), desde 2018 o humanize implementa um programa transversal e integrado às áreas de Sustentabilidade e Gestão Pública.

No Brasil, a maioria das OSCs são de pequeno porte e têm atuação fragilizada e desarticulada, o que aponta para desafios como a sustentabilidade no longo prazo. Nesse sentido, o humanize acredita que muitas organizações precisam encontrar caminhos para: atuar de forma estratégica e sistêmica; resgatar propósito, redefinir papel no cenário, realinhar atuação; otimizar recursos, ampliar o alcance dos resultados e potencializar o impacto das ações; desenvolver competências e habilidades. Na visão do programa, o Terceiro Setor precisa ser proativo, influenciador e inovador, além de colaborar para a implementação de políticas públicas e para transformações locais perenes.

Para promover o desenvolvimento, o nosso diagnóstico passa por:
• Abertura e compromisso da liderança – reconhecimento de organizações que tenham lideranças que se envolvam no desenvolvimento institucional;
• Coconstrução – trocas entre doador e beneficiário/donatário sobre o caminho a ser percorrido;
• Fomento à rede – estímulo a troca de conhecimento e a colaboração entre as organizações para trabalho no território, no tema de atuação e nos desafios institucionais;
• Apoio paciente – investimento de médio prazo (três anos) para consolidação das mudanças pretendidas e dos resultados do apoio de desenvolvimento institucional pactuados;
• Questões de política, governança e participação – por exemplo, estimulando maior representação, inclusão e igualdade.

Diante dos desafios do setor, o programa estruturou seus quatro eixos temáticos. O primeiro trata de visão sistêmica, envolvendo liderança sistêmica, trabalho em rede – com alianças para colaboração e fortalecimento do ecossistema, diagnóstico de lacunas e ação sinérgica nos temas e territórios. O segundo eixo aborda o pensamento estratégico e trabalha pontos como o planejamento estratégico (missão, visão, propósito, objetivos e metas), a estratégia de captação de recursos, a comunicação estratégica e a Teoria U (um método de aprendizagem que é inovador e aplicável a negócios).

Já o terceiro e o quarto eixo do programa tratam, respectivamente, de capacidades técnicas e em gestão. De um lado há conhecimento técnico, desenvolvimento de equipes e capacidade de inovar em pessoas e processos, bem como de influenciar tomada de decisão. Do outro, há questões técnicas que envolvem capacidades financeira, contábil e legal, além de processos, monitoramento e avaliação, gestão de projetos, Advocacy e Governança.

Conexões em Rede

Para contribuir com o desenvolvimento institucional das OSCs é imprescindível conduzir iniciativas em parceria. Por isso, sempre que possível, o humanize envolve outros doadores parceiros na jornada de fortalecimento das organizações. A ideia é dividir investimentos financeiros e responsabilidades, alcançando resultados mais consistentes e a longo prazo.

Na trajetória da área dentro do instituto, o caminho colaborativo se expandiu ao longo dos anos. Em 2018 eram dois projetos com 23 OSCs fortalecidas no “Terceiro Setor Transforma”. Um ano depois, três projetos envolveram 16 OSCs nas oficinas de Planejamento Estratégico e Mobilização de Recursos, além de 16 participando do Workshop “Data for Good”. Em 2020, o programa contabilizou cinco projetos. No mesmo ano, foram realizados 12 diagnósticos de DI, além de um estudo sobre o impacto da Covid-19 nas organizações e três OSCs fortalecidas (uma via humanize e duas por meio do Fundo Covid).

Tratando dos números gerais especificamente no ciclo 2019-2021, este recente, e transversal, programa do Ih marcou seu portfólio com mais de 20 projetos, que endereçaram os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) — principalmente o objetivo 16 (Paz, Justiça e Instituições Eficazes). Ainda neste cenário de triênio, Bahia e Amazonas se destacam entre os estados que mais receberam apoio a partir da estratégia da área.

Atuando em colaboração, entendemos que os processos de desenvolvimento institucional endereçam questões especificas das organizações e aumentam a possibilidade de resultados efetivos. Seguindo essa ideia, no período 2019-2021, a área em destaque alcançou números promissores, por exemplo, cerca de 150 organizações atendidas e mais de 250 lideranças e membros  de equipes seniores de OSCs formadas e engajadas no recorte de desenvolvimento institucional das OSCs que integram.

Hoje, há 11 projetos com uma previsão que aponta para 37 OSCs fortalecidas, sendo 21 no programa Lideranças Criativas; 10 no programa Casa Rios e Oceanos; e seis com apoio direto de desenvolvimento via humanize. Também recentemente, o programa sensibilizou 30 OSCs no “Missão Impacto Social“, bem como apoiou uma plataforma de reconhecimento de ONGs e a criação de uma rede de organizações.

Veja nossos casos